Terceira guerra mundial e a implantação da nova ordem mundial

 

 

Primeira parte – Introdução

A respeito da Profecia

Com o passar dos anos de estudo da Profecia, pude perceber como esta é dinâmica, fluida e viva ao invés de estática e sólida. Na verdade, nada é tão dinâmico quanto a profecia.
É semelhante a água ou ao ar que não possui forma estabelecida, mas assume a forma do recipiente que os contém, seja este qual for. No caso da água, pode estar contida em um copo, em um poço, em um rio, em um oceano, em uma atmosfera ou em um compartimento de uma célula de um microorganismo.

Para enxergarmos e, portanto entendermos a profecia, cabe-nos primeiramente definirmos em qual dimensão iremos observá-la.
Suas características são as mesmas, não importa onde a analisemos, devemos focar então em seus efeitos, pois estes é que são específicos, um para cada dimensão. Não importa se observamos a água contida em um poço ou em um rio. As características da água são exatamente as mesmas. A diferença está na funcionalidade de cada uma.
Para que serve, que efeitos são produzidos a sua volta, quem se utiliza dela, de que maneira se utiliza, quais os impactos que ela provoca em seu ambiente com o passar do tempo, o que varia de uma para a outra, a temperatura, a fluidez, o que está dissolvido em cada uma…

A profecia começa a se cumprir desde sua existência e segue se cumprindo, até seu último cumprimento onde é então encerrada.
Para identificarmos seu cumprimento, é necessário definirmos a dimensão em que iremos analisá-la. Se em um momento específico, ou em uma determinada geração, ou durante a existência de uma determinada nação ou tendo em vista a história da humanidade. Definida a dimensão, enxergaremos a profecia se cumprindo. Não importa quão ampla ou quão diminuta seja a visão. Veremos seu cumprimento onde quer que a analisemos. Todos são reais. Um é parte do todo e o todo é parte do um.
Este é um conhecimento imprescindível para qualquer que queira ter um bom entendimento das Escrituras.

Visto isto, é possível entendermos as palavras do Messias:
“Em verdade vos declaro: não passará esta geração antes que tudo isto aconteça. Os Céus e a Terra passarão, mas as minhas palavras não passarão.” (Matitiahu 24: 34 e 35.)

 

Aqui iremos observar a profecia contida no livro de Daniel, o profeta.
O livro contém várias visões, sonhos, interpretações e explicações dadas por seres celestiais. Embora as visões sejam diferentes e também as circunstâncias de seus acontecimentos, todas se relacionam.
Cada uma com o todo e o todo com cada uma.

De acordo com a dimensão observada, estas profecias já se cumpriram no passado várias vezes. A cada geração elas se cumprem. Estão se cumprindo agora. É possível identificar todos os elementos atuais, tais como descritos na profecia e assim vermos a profecia se cumprindo em nossos dias, nesta geração.

Em uma visão mais ampla, enxergamos através dos fatos históricos como esta profecia se cumprirá definitivamente e se encerrará, englobando desta forma todas as gerações.

Assim é com toda profecia dos profetas de Israel.
As coisas no universo acontecem de acordo com a profecia.

O universo inteiro ajusta-se para proporcionar o cumprimento da profecia, tal como está escrita, de tempos em tempos, de geração em geração até a consumação.

Por mais incrível que possa parecer, alguém escolhido como profeta pelo Criador, é revestido de tal autoridade que toda profecia proferida por ele deve se cumprir, ainda que o profeta fale por ele mesmo e não em nome de יהוה.

Para exemplificar, veja esta profecia de Eliahu, o profeta: “Pela vida de יהוה, Elohei Israel, a quem sirvo, não haverá nestes anos orvalho nem chuva, senão quando eu o disser.” (I Reis 17: 1)

 

Tendo esclarecido estes pontos a respeito da profecia, esclareceremos agora a principal profecia já feita neste mundo, a saber, a vinda do Messias.

Esta é também a profecia mais antiga. A primeira profecia.

A vinda do Messias foi anunciada desde o princípio.
Foi anunciada ao primeiro homem que esteve sobre a Terra.
Tudo o mais que acontece neste mundo é insignificante perto desta profecia. Na verdade, tudo o que acontece não é mais do que os movimentos necessários que proporcionam o cumprimento desta profecia que é a mais importante dentre todas.
O Messias, um justo rei, um santo sacerdote, portador da unção de conectar os homens ao Criador, fazendo-nos um.

Veio ao mundo Iehoshua, o Messias. Nascido de uma virgem como profetizado por Ieshaiahu, o profeta:
“Uma virgem conceberá e dará a luz um filho, e o chamará Immanuel.” (Ieshaiahu 7: 14.)

O Messias andou por toda a terra de Israel ensinando ao povo, curando os enfermos e desfazendo as obras do mal:
“O espírito de Adonai יהוה está sobre mim, porque יהוה me ungiu; enviou-me a anunciar a boa nova aos pobres, a curar os quebrantados de coração e proclamar a liberdade aos cativos, a libertação aos que estão presos, a proclamar um ano aceitável a יהוה e um dia de vingança ao nosso Elohim, a fim de consolar todos os enlutados, ‘a fim de pôr aos enlutados de Tsion’, a fim de dar-lhes um diadema em lugar de cinza e óleo de alegria em lugar de luto, uma veste festiva em lugar de espírito abatido.
Chamar-lhes-ão terebintos de justiça, plantação de יהוה para sua glória. Eles reedificarão as ruínas antigas, recuperarão as regiões despovoadas de outrora; repararão as cidades devastadas, as regiões que ficaram despovoadas por muitas gerações.” (Ieshaiahu 61: 1 a 4.)

Tendo lançado o fundamento do reino de יהוה neste mundo, foi sacrificado por seu próprio povo, como sacrifício de expiação, tal como profetizado:
“E no entanto, eram as nossas enfermidades que ele levava sobre si, as nossas dores que ele carregava.
Mas nós o tínhamos como vítima do castigo, ferido por Elohim e humilhado. Mas ele foi trespassado por causa das nossas transgressões, esmagado em virtude das nossas iniqüidades.
O castigo que havia de trazer-nos a paz, caiu sobre ele, sim, por suas feridas fomos curados.
Todos nós como ovelhas andávamos errantes, seguindo cada um o seu próprio caminho, mas יהוה fez cair sobre ele a iniqüidade de todos nós.
Foi maltratado, mas livremente humilhou-se e não abriu a boca, como um cordeiro conduzido ao matadouro; como uma ovelha que permanece muda na presença dos seus tosquiadores ele não abriu a boca.
Após detenção e julgamento, foi preso. E quem relatará sua geração? Pois ele foi cortado da terra dos vivos; pela transgressão do meu povo ele foi ferido. Deram-lhe sepultura com os ímpios, e com o rico sua morte, se bem que não tivesse praticado violência nem tivesse havido engano em sua boca.

Mas יהוה quis feri-lo, submetê-lo a enfermidade.
Mas, se ele oferece a sua vida como sacrifício pelo pecado, certamente verá uma descendência, prolongará os seus dias, e o deleite de יהוה deve prosperar em sua mão.” (Ieshaiahu 53: 4 a 10.)

Ressurgiu dos mortos a vista de seus escolhidos e após permanecer com eles alguns dias, passando-lhes instruções, subiu aos céus a vista de todos, prometendo lhes preparar um lugar nos céus e então retornar para buscá-los.

Iehoshua caminhou no caminho da Torah.
Não ensinou aos homens nada diferente do que está escrito na Torah.
O que Iehoshua faz é dar aos homens entendimento para compreender as instruções, pois as palavras são santas.

Iehoshua ensinou que não devemos nos achar melhores uns que os outros, mas devemos tratar a todos com misericórdia.

“Eis que dias virão, discurso de יהוה, em que selarei com a casa de Israel e com a casa de Iehudah uma aliança nova. Não como a aliança que selei com seus pais, no dia em que os tomei pelas mãos para fazê-los sair da terra do Egito. Minha aliança que eles mesmos romperam embora eu fosse o seu senhor, discurso de יהוה.
Porque esta é a aliança que selarei com a casa de Israel depois desses dias, discurso de יהוה. Eu porei minha Torah no seu seio e a escreverei em seu coração. Então eu serei seu Elohim e eles serão meu povo. Eles não terão mais que instruir seu próximo ou seu irmão, dizendo: “Conhecei a יהוה!”       Porque todos me conhecerão, dos menores aos maiores, discurso de יהוה, porque vou perdoar sua culpa e não me lembrarei mais de seu pecado.” (Ieremiahu 31: 31 a 34.)
Cumpriu-se desta forma a mais importante profecia de todos os tempos, a vinda do Messias.

Como plano perfeito do Criador, o messias foi rejeitado pelo povo de Israel e foi recebido pelos gentios ao redor do mundo.
יהוה então espalhou o povo de Israel pelos quatro cantos da Terra para que a cultura de Israel fosse disseminada, e fez com que os judeus espalhados pelo mundo retornassem novamente a Terra Prometida.
Iehoshua foi rejeitado por Israel para que os gentios fossem alcançados.
Israel foi espalhado pelo mundo para que sua cultura fosse disseminada entre os gentios.

Após isto, a descendência de Israel deixou de ser meramente genética, passou a ser espiritual. Todos quantos reconhecem a Torah dada a Israel e o Messias judeu, se integram ao povo escolhido. A consciência do homem que reconhece a Instrução de יהוה e seu Messias muda de tal forma, que esta mudança equivale a um novo nascimento.

Como está escrito: “Porque esta é a aliança que selarei com a casa de Israel depois desses dias, discurso de יהוה. Eu porei minha Torah no seu seio e a escreverei em seu coração. Então eu serei seu Elohim e eles serão meu povo.”
“Disse-lhe Iehoshua: Em verdade, em verdade, te digo:
Quem não nascer do alto não pode ver o reino de יהוה.
Disse-lhe Nakdimon: “Como pode um homem nascer, sendo já velho? Poderá entrar uma segunda vez no seio de sua mãe e nascer?”
Respondeu-lhe Iehoshua: “Em verdade, em verdade, te digo: Quem não nascer da água e do espírito não pode entrar no reino de יהוה. O que nasceu da carne é carne, o que nasceu do espírito é espírito. Não te admires de eu te haver dito: Deveis nascer do alto.” (Iochanan 3: 3 a 7.)

Mas a guerra continua. Existe uma guerra universal. Todos os seres conscientes estão envolvidos. Onde quer que haja vida consciente no universo. Trata-se da guerra entre os que guardam a instrução de יהוה e os que agem segundo a sua própria vontade.
Esta guerra envolve seres de todas as classes evolutivas, desde o homem aos seres mais iluminados que se possa imaginar. Seres que de tanta luz, seriam para os homens como verdadeiros deuses.

Aqui na Terra a guerra também continua.
Por meio da influência de seres caídos (que agem segundo a sua própria vontade e não segundo a vontade de יהוה) homens usurparam a história de Israel e a perverteram segundo a intenção desses seres caídos, antes de a propagarem em todo o mundo.

Adaptaram a história segundo as suas intenções.
Mudaram os personagens, alteraram seus discursos, excluíram o que lhes interessava, adicionaram o que lhes convinha, alteraram como puderam.
Mas Israel conservou intacto o texto de sua Torah.
Conservou também as palavras de seus profetas. Tal como comprovam os manuscritos encontrados ao redor do Mar Salgado (mar morto) que ficaram mais de dois mil anos guardados dentro de vasos escondidos em cavernas.

Já com o texto que conta a história do Messias e seus discípulos não foi assim.
Não se sabe onde está o texto escrito em sua língua original, hebraica, como é o restante do texto de Israel.

Dizem os estúpidos que este texto foi originalmente escrito em língua grega e não em língua hebraica.
Quanto a isto, não há o que se comentar.

Nisto se vê claramente que este é o texto mais alterado pela influência dos caídos.
Esta alteração inclui a mudança do personagem principal, o Messias.

Sob o governo do império romano, que usurpou e ocultou o texto original das palavras do Messias, a história foi recontada segundo o interesse romano, apagando ao máximo a cultura de Israel, sobretudo sua língua, que é a característica mais marcante de qualquer cultura, e recontaram a história da forma como lhes aprouve.

No lugar do Messias colocaram seu personagem principal chamado de cristo.
Este personagem tem como função chamar a atenção para si mesmo, para seus próprios ensinamentos.

Roma quis demonstrar ao povo que seu principal personagem trouxe uma religião inteiramente nova sobre a Terra.
Apesar dele ter nascido em Israel, ele não considera a instrução dada a Israel, ele considera somente a sua própria instrução, que é algo novo.
Israel passou então a ser visto como um povo amaldiçoado, já que rejeitou o protagonista romano.

Mas a história verdadeira é completamente diferente.
O Messias, Iehoshua, veio para frisar que somente a Torah dada a Israel deve ser observada. Em tudo ele se demonstrou cumpridor da Torah como também não deu outra instrução senão a de que todo homem deve-se esforçar para cumprir a Torah.

O Messias, Iehoshua, anunciado por todos os profetas de Israel, veio ao mundo para mostrar aos homens que as palavras da Torah e dos profetas são a salvação do mundo.
Veio para ensinar os homens a importância da sinceridade, que é a forma como devemos nos achegar ao Criador, pois Ele perscruta os corações.

O Messias demonstrou que a misericórdia excede a justiça.
Não podemos julgar aos outros, pois somos todos transgressores. E se um transgride em um ponto, o outro transgride em outro. Devemos, portanto, nos julgar a nós mesmos e exercer misericórdia para com os outros, esperando pelo dia em que o Santo há de julgar a todos.

 

 Segunda parte – Interpretação

Terceira guerra mundial e a implantação da nova ordem mundial:

Tendo esclarecido sobre o maior dos acontecimentos – a profecia e a vinda do Messias – e o maior dos enganos – a usurpação da história e da cultura de Israel pelos romanos – iniciaremos agora a interpretação da profecia contida no livro de Daniel, o profeta, que está se cumprindo hoje e ainda nesta geração, seu cumprimento irá transformar o mundo de uma tal maneira que o mudará por completo, dando origem a uma nova ordem mundial.

Primeiramente é necessário esclarecer que as profecias contidas no livro do profeta Daniel se relacionam uma com a outra. A partir deste ponto de vista, devemos identificar nas profecias o que é o mesmo assunto exposto com palavras diferentes, e então complementarmos cada profecia com partes de outras, formando assim um grande quadro.
Aqui darei a interpretação da profecia a qual Daniel recebeu através de uma visão de um carneiro e um bode.

O profeta começa o relato de sua visão explicando que esta é continuação da visão que ele tinha tido anteriormente.
Ora, anteriormente o profeta havia visto as quatro grandes bestas que emergem do mar, simbolizando os quatro sistemas de governo que haveriam sobre a face da Terra, como foi explicado ao profeta pelo ser celestial que o acompanhava.

Esta visão – das quatro bestas que emergem do mar – correlaciona-se com o sonho da grande estátua que teve Nevucodnetsar, o qual foi interpretado pelo profeta.

A visão que é objeto deste texto – a visão do carneiro e do bode – correlaciona-se com a visão das grandes lutas que teve o profeta no terceiro ano de Choresh, rei da Pérsia.

Portanto, foram citadas até agora quatro visões, são elas: quatro bestas que emergem do mar; sonho da grande estátua; visão do carneiro e do bode; mensagem revelada no terceiro ano de Choresh, rei da Pérsia.

No final do texto há um esquema ilustrado das quatro visões e como elas se interrelacionam.

 

Visão do carneiro e do bode, livro de Daniel, o profeta, capítulo oito:

“No terceiro ano do reinado de Belshatsar, eu Daniel, tive uma visão, continuação daquela que eu tinha tido anteriormente.

Nessa visão, eu me achava na fortaleza de Shushan, na província de Elam, e eu me vi, sempre em visão, as margens do Ulai.
Erguendo os olhos, eis que vi um carneiro, o qual se achava em frente ao rio. Tinha dois chifres, dois longos chifres, um dos quais era mais alto do que outro. Esse chifre mais alto apareceu por último. Vi o carneiro da chifradas em direção do oeste, do norte e do sul. Nenhum animal resistia diante dele, e ninguém conseguia escapar de seu poder. Fazia o que queria, e crescia.
Enquanto observava com atenção, eis que um bode robusto veio do ocidente e percorreu a Terra inteira sem tocar o solo; tinha entre os olhos um chifre muito saliente. Foi até o carneiro de dois chifres, que eu tinha visto em frente ao rio, e avançou contra ele num excesso de fúria. Eu o vi aproximar-se do carneiro e atirando-se com fúria sobre ele, espancá-lo e quebrar-lhe os dois chifres, sem que o carneiro tivesse força para sustentar o assalto.
O bode jogou por terra o carneiro e o calcou aos pés, sem que alguém interviesse para subtraí-lo ao ataque de seu adversário.

Então o bode tornou-se muito grande. Mas, assim que se tornou poderoso, seu grande chifre quebrou-se e foi substituído por quatro chifres que cresciam em direção dos quatro ventos dos céus. De um deles saiu um pequeno chifre que se desenvolveu consideravelmente para o sul, para o oriente e para o esplendor das terras. Cresceu até alcançar os astros dos céus, do qual fez cair por terra diversas estrelas e as calcou aos pés.
Cresceu até o chefe desse exército de astros, cujo holocausto perpétuo aboliu e cujo santuário destruiu.
Por causa da infidelidade, além do holocausto perpétuo foi lhe entregue um exército. A verdade foi lançada a terra. O pequeno chifre teve êxito em sua empreitada” (Daniel 8: 1 a 12.)

‘Continuação daquela visão que eu tinha tido anteriormente’:
A visão anterior é a visão das quatro bestas que emergem do mar. O profeta deixa claro que esta visão é uma continuação da visão das quatro bestas, ou seja, esta visão dá sequência àquela, complementa a visão anterior.
Esta visão do carneiro e do bode corresponde a formação da cabeça da quarta besta que emerge do mar.
Esta visão corresponde também ao tornozelo da estátua do sonho de Nevucodnetsar. É a transição das pernas de ferro para os pés de ferro misturado com barro.

‘Nessa visão, eu me achava na fortaleza de Shushan, na província de Elam, e eu me vi, sempre em visão, as margens do Ulai’: O profeta faz questão de mencionar onde ele se encontrava para que o estudante possa saber qual a perspectiva daquele que relata a visão.
A fortaleza de Shushan, na província de Elam, localizava-se na região onde é hoje a capital do Iran, Teeran.
Portanto, a perspectiva dos fatos apresentados, parte daqui.

‘Erguendo os olhos, eis que vi um carneiro, o qual se achava em frente ao rio. Tinha dois chifres, dois longos chifres, um dos quais era mais alto do que outro. Esse chifre mais alto apareceu por último’: O carneiro representa o oriente, mais especificamente o continente asiático.
‘Dois chifres, dois longos chifres’: São representações de duas nações neste continente. Essas duas nações são grandes em qualquer aspecto. Em território, em influência, em população, em exército, em poder, etc.
‘Um dos quais era mais alto do que outro. Esse chifre mais alto apareceu por último’: Dessas duas nações, uma é ainda maior que a outra, e esta que é maior, tornou-se maior no tempo mais recente (por último).
Diante disto, é notável que estas duas nações sejam hoje o que conhecemos como Rússia e China. Sendo a China o chifre maior que apareceu por último visto que a Rússia já foi maior que a China em influência, território, poder, etc.
Mas temos visto recentemente a China crescer extraordinariamente, chegando inclusive a disputar posições com as maiores nações ocidentais.

‘Vi o carneiro da chifradas em direção do oeste, do norte e do sul. Nenhum animal resistia diante dele, e ninguém conseguia escapar de seu poder. Fazia o que queria, e crescia’:
‘Chifradas em direção do oeste, do norte e do sul’: mais uma confirmação que o carneiro representa o oriente, pois, do leste (oriente) da chifradas em direção ao oeste, norte e sul. Estas chifradas são representações do domínio e da influência que estas duas nações exercem sobre as outras.
Temos como exemplo de nações influenciadas por estas duas: Ucrânia, Armênia, Geórgia, Cazaquistão, Palestina, Síria, Mongólia, toda a Indochina, Coréia, Indonésia, dentre outras.
‘fazia o que queria e crescia’: Já faz tempo que Rússia e China controlam as demais nações do oriente e continuam a crescer. Estas duas nações fazem como querem, não importa o que digam as outras nações. Para exemplificar temos a invasão da Geórgia pela Rússia e a invasão do Tibet pela China, apesar das outras nações reprovarem os ataques.

‘Enquanto observava com atenção, eis que um bode robusto veio do ocidente e percorreu a Terra inteira sem tocar o solo; tinha entre os olhos um chifre muito saliente’: O bode robusto representa o ocidente. Este bode parte em direção ao oriente sem tocar o solo. Isto refere-se a tecnologia ocidental.

A indústria ocidental de guerra é incomparável. Todo o arsenal militar, a tecnologia de satélites e o controle da internet.
‘Tinha entre os olhos um chifre muito saliente’: Este chifre representa a principal nação ocidental, os EUA.
O fato de este chifre estar localizado entre os olhos faz com que os ataques do bode sejam objetivos, mirados com precisão.

‘Foi até o carneiro de dois chifres, que eu tinha visto em frente ao rio, e avançou contra ele num excesso de fúria’: O ocidente é que vai em direção ao oriente. O bode é quem ataca. A exemplo disto temos a invasão ocidental ao Iraque, ao Afeganistão, ao Paquistão, ao Kuwait, a Líbia, a Coréia, ao Japão, ao Vietnã, etc.

Mas os chifres do carneiro continuam a crescer e o carneiro não vai mais aceitar as investidas do bode.

Nesta hora é que o bode parte furioso para cima do carneiro.

Terceira guerra mundial. Ocidente versus oriente. EUA versus Rússia e China. Oriente será devastado. Rússia e China acabarão. O carneiro não terá força para sustentar o assalto. O ocidente apossar-se-á completamente do oriente. Oriente será completamente subjugado. O bode calcará o carneiro aos seus pés.

‘Então o bode tornou-se muito grande. Mas, assim que se tornou poderoso, seu grande chifre quebrou-se e foi substituído por quatro chifres que cresciam em direção dos quatro ventos dos céus’: Os EUA obterão desta forma o reconhecimento da Europa e de todas as nações ocidentais. Ostentará magnificência, mas devido a guerra, que lhe custou todos os seus recursos e toda a sua força, quebrará.
O governo do mundo passará a Europa. Nova ordem mundial. Da Europa virá o controle a todos os habitantes da Terra. Através da marca da besta, todas as pessoas serão controladas, não importa onde estejam.

Os inscritos no Livro da Vida do Cordeiro haverão de preferir a morte a ser grampeado com a marca da besta.

Quatro nações governarão o mundo a partir da Europa, são elas: Reino Unido, Alemanha, França e Itália. Estes são os quatro chifres que cresciam nas quatro direções.

‘De um deles saiu um pequeno chifre que se desenvolveu consideravelmente para o sul, para o oriente e para o esplendor da Terra’: Existe um estado independente dentro da Itália, o Vaticano. O Vaticano é mais poderoso para influenciar e governar que qualquer uma das quatro nações. Este é o chifre pequeno que sai de um dos quatro chifres. O líder do Vaticano diz ser o representante do cristo romano no mundo. De fato é. Este líder reivindicará ser o próprio cristo e muitos o receberão.

Para o cristianismo ele é o aguardado Jesus. Para o islamismo ele é o aguardado profeta Isa que aparecerá nos fins dos tempos. Para o judaísmo ele é o aguardado rei sucessor de David.

Desta forma este líder se achegará as três maiores fé.

O pequeno chifre se desenvolverá consideravelmente para o sul (islã/cristianismo), para o oriente (hinduísmo/budismo/cristianismo) e para o esplendor das terras (Israel/judaísmo).

‘Cresceu até o chefe desse exército de astros, cujo holocausto perpétuo aboliu e cujo santuário destruiu.
Por causa da infidelidade, além do holocausto perpétuo foi lhe entregue um exército. A verdade foi lançada a terra. O pequeno chifre teve êxito em sua empreitada’: Este chifre enganará a muitos. Enganará pessoas que brilham como estrelas neste mundo. – “Se possível fosse, enganaria até aos escolhidos”. – Aqueles que crêem neste líder, tentarão provar e justificar de todas as maneiras a sua autoridade.

Este líder caído, falso messias, se coloca em posição contrária ao ungido do Criador. Como que desfazendo e invalidando todos os santos ensinamentos, se exaltará a si mesmo. Afagando a natureza caída do povo obterá cada vez mais reconhecimento até o dia de sua destruição.

 

 

Note bem, meu amigo, como este verso é tão claro para todos quantos já foram iniciados nesta revelação:
‘Por causa da infidelidade, além do holocausto perpétuo foi lhe entregue um exército. A verdade foi lançada a terra. O pequeno chifre teve êxito em sua empreitada’.
‘Por causa da infidelidade’: Por causa da infidelidade do homem que desde o princípio desconfiou da instrução de יהוה.
Por causa da infidelidade de Israel que se prostitui com ídolos desobservando a Aliança com seu Senhor.
Por causa da avareza e do orgulho dos gentios que foram alcançados, que insistem em viver neste mundo como se fossem daqui. De fato são. O caminho da humildade e da simplicidade lhes é surreal.
‘Além do holocausto perpétuo foi lhe entregue um exército’:
O holocausto perpétuo é o sacrifício de expiação realizado pelo Messias, o cordeiro de יהוה, que Roma usurpou e substituiu por seu personagem principal chamado de cristo.
O exército aqui são todos os enganados por Roma.
Enganados porque fizeram caso de suas vidas, pensaram que poderiam conciliar as suas próprias vontades com a vontade de יהוה. Não observaram as palavras do Mestre: “Aquele que tentar salvar a sua vida, perdê-la –á. Aquele que a perder, por minha causa, reencontrá-la-á.” (Matitiahu 10: 39.)
‘A verdade foi lançada a terra’: Como distorceram a verdade! Como é difícil identificar a distorção! A mentira possui uma capa de verdade que impede a quase todos de identificá-la.
‘O pequeno chifre teve êxito em sua empreitada’: O protagonista romano teve sucesso. Reconhecido por quase todos. Experimente dizer a um cristão quem realmente é o chamado de cristo e então você comprovará que o pequeno chifre teve êxito em sua empreitada.
Eis aqui a clara exposição do plano dos caídos.

O governo deste mundo,  representado por Roma, usurpou dos escritos e da história do povo de Israel. Tendo roubado, modificou a história segundo o seu próprio interesse.
Interpretou textos de maneira tendenciosa, beneficiando-se com isto. Contou a vinda do Messias judeu, Iehoshua, como se ele tivesse vindo trazer uma nova religião, a religião romana, o cristianismo.
Chamaram-lhe Jesus cristo.
Este personagem e seus ensinamentos anulam completamente tudo o que remete a Israel e sua tradição.
Desde o pacto da circuncisão, até o Shabbat, as festas, tudo.
Fizeram tudo que conseguiram para tentar apagar Israel.
A língua hebraica quase desapareceu, foi salva através dos textos conservados pelos judeus.

De acordo com a doutrina do cristianismo, Jesus cristo transferiu sua autoridade ao papa, que é a autoridade máxima do cristianismo e seu representante no mundo.

 

Explicamos acima que o governante do Vaticano, o líder do cristianismo, o papa é o chifre pequeno que governará o mundo e que está em oposição ao Messias judeu.
Após a terceira guerra mundial que está às vésperas de acontecer, o mundo entrará em uma nova ordem mundial, será governado por quatro nações européias, de uma delas outra se levantará, dominará, terá êxito em sua empreitada até que chegue o tempo de sua destruição.

Após a visão apresentada, Daniel, o profeta, fez contato com um ser celestial identificado como Gabriel que lhe disse dentre outras coisas:
“Compreende bem que está visão simboliza o tempo final”.
“Tu, guarda esta visão em segredo, pois ela se refere a dias longínquos”.

Aqui me foi permitido identificar segredos e desvendar mistérios.

Preste bem atenção que o motivo disto não é para auto-promoção, ou qualquer tipo de reconhecimento humano, mas, para preparação dos santos.

É mais fácil reagir quando se entende o que está acontecendo.

xxx

 

contact@comentarioasescrituras.com