A respeito do sistema mundial

O sistema mundial deste tempo em que vivemos é perfeitamente descrito nas Sagradas Escrituras.

Pela exemplificação que o Texto Sagrado nos traz, percebemos o sistema mundial como um todo bem como percebemos também cada peça, cada fio, cada engrenagem, a circulação do combustível e tudo mais que faz  o sistema ser o que é.

As pessoas e os seus sentimentos, seus desejos, os governos, o dinheiro, a exploração da matéria prima, a exploração do mais forte sobre o mais fraco, a desigualdade, a total decadência dos princípios morais, a irracionalidade do ser humano, a bestialidade a qual o ser humano é impelido. Tudo isto é descrito minuciosamente no Texto Sagrado.

O que acontece no planeta Terra é universal e também interdimensional, ou seja, acontece em todo o universo e em todas as dimensões. É a energia destruidora lutando contra a energia Criadora. São as forças das trevas lutando contra as forças da Luz. São todos que não conhecem a Verdade, não conhecem יהוה e portanto não observam seus preceitos lutando contra aqueles que são filhos da Verdade e experimentadores da vida Eterna, sabendo que pouco tempo lhes resta.

Esta guerra está prestes a terminar e seu propósito é aperfeiçoar toda a criação que será completamente renovada quando a parte que luta contra sua existência perder a utilidade e portanto, deixar de existir.

 

É no livro do profeta Daniel que encontramos as descrições do sistema que veremos aqui.

O sonho da grande estátua que teve Nevukadnetsar (nabucodonosor) representa todos os sistemas pelos quais passou a humanidade.

Uma grande estátua com cabeça de ouro, peito e braços de prata, ventre e quadris de bronze, pernas de ferro e pés metade de ferro e metade de barro.

Nota-se que à partir da cabeça até os dedos dos pés, os materiais que constituem a estátua são cada vez piores.

Foi dito pelo profeta que a cabeça dourada era Nevukadnetsar, ou seja, seu reino, seu sistema. As partes subsequentes eram reinos ou sistemas que viriam.

Desde o império babilônico até o fim dos impérios terrenos, cada vez mais se perde valor, perde-se qualidade. Do ouro passa-se para a prata, depois para o bronze, depois para o ferro e depois para a mistura de ferro e barro.

O tempo em que vivemos hoje é representado pelos pés da estátua. Os pés são de ferro e barro. Sabemos que o ferro que está presente na estátua desde as pernas representa o império romano. Mas quando chega nos pés este ferro é misturado com barro que já não é nem mesmo um metal tamanha é a perda de valor e qualidade desde a cabeça até aos pés da estátua. O sistema mundial atual é representado então pelo ferro romano e pelo barro.

O império romano (pernas da estátua) não deixou de existir e exerce sua influência até hoje, pois, nos pés da estátua também existe ferro. O senado corrupto, os falsos representantes do povo, a avareza, a ambição incontrolável, a crueldade, tudo isto que vemos hoje é romano.

O cristianismo é a religião oficial do império romano.

O coliseu romano se multiplicou e se espalhou por todo mundo, são os estádios onde acontecem os eventos que distraem o povo. Ainda hoje se distribui nos coliseus de todo mundo o vinho que embriaga o povo e o pão que faz com que o povo se sinta satisfeito enquanto as engrenagens do sistema funcionam.

A mídia, a imprensa, a propaganda fazem com que o povo seja cada vez mais ganancioso e se importe cada vez mais em adquirir produtos e informações que não servem para outra coisa senão para fazê-lo mais escravo do sistema.

Há ainda o barro. O elemento de menor valor dentre os constituintes da estátua. O barro causa a divisão pois não se amálgama com o ferro. Assim fazem as várias religiões e filosofias. Matam, roubam, destroem seus seguidores.

Como o barro também vemos o conhecimento deste século que é fosco, destrutivo, sujo. Cada vez mais as pessoas perdem a boa razão e são incentivadas a se destruírem a si mesmas através da promiscuidade, devassidão e pela entrega a luxúria que no passado (ouro, prata e bronze) eram tidos como vergonha.

A humanidade se aproxima dos dez dedos dos pés da estátua, representação de um mundo dividido em dez blocos. Quando o tempo dos dez dedos dos pés da estátua chegar então virá o fim.

Faz parte do sonho de Nevukadnetsar uma pedra que se desloca da montanha sem intervenção de mão alguma e bate nos pés da estátua triturando-a e a destruindo completamente, tornando-se uma alta montanha que ocupa toda a região. O profeta explica que no tempo em que o sistema mundial for representado pelos dedos dos pés da estátua, o Senhor dos céus suscitará um reino eterno que jamais será destruído e jamais passará a outro povo.

Também está escrito no livro do profeta Daniel que ele estando em seu leito, teve um sonho e visões surgiram em seu espírito. O profeta sonhou e viu surgir quatro grandes animais. Estes animais representam quatro reinos (sistemas) aparecendo sobre a Terra e esta visão está intimamente ligada com a visão da estátua que teve Nevukadnetsar.

O primeiro animal parecia com um leão mas tinha asas de águia. Se equivale a cabeça dourada da estátua. O segundo animal parecia-se com um urso. Se equivale ao peito e braços de prata da estátua. O terceiro animal era idêntico a uma pantera com quatro cabeças que tinha nas costas quatro asas de pássaro. Se equivale ao ventre e quadris de bronze da estátua. O quarto animal é quase indescritível de tão pavoroso que era. Se equivale as pernas de ferro e aos pés de ferro misturado com barro da estátua. É a representação do sistema atual.

Por meio da descrição deste quarto animal e por meio da explicação que um personagem celestial dá ao profeta, entendemos o sistema mundial atual. Nosso entendimento é aberto e enxergamos a realidade da vida neste mundo. Com o estudo deste Texto é quebrado todo encantamento que nos impedia da liberdade e raciocínio sadio.

O quarto animal é medonho, pavoroso e de uma força excepcional. Esta é a imagem que tem todo aquele que consegue visualizar o sistema mundial atual.

Este quarto animal possui garras de bronze equivalentes ao ventre e quadris de bronze da estátua. Esta parte da estátua representa o império dos gregos. Com as garras de bronze o quarto animal segura e dilacera as vítimas. Estas garras são o conhecimento no estilo grego que despreza a revelação dos céus e que tenta incansavelmente ascender aos céus por seus próprios meios. A super valorização do corpo, a idolatria de um perante o outro, a transformação dos desejos e inclinações da alma humana que antes eram controladas e tidos como vergonha em desejos que devem ser saciados. A quebra de todo princípio moral. A ostentação, o orgulho, a vaidade exacerbada, a prepotência.

Este animal possui também enormes dentes de ferro. Devorava, depois triturava e pisava aos pés o que sobrava. Os enormes dentes de ferro deste animal se equivalem ao ferro que constitui as pernas e os pés da estátua e portanto, ao império romano. Estes dentes devoram e trituram qualquer coisa pois são de ferro. Estes dentes acabam com tudo de bom conquistado pela humanidade até aqui. A espiritualidade que eleva o homem fazendo-o ascender aos céus, a ciência que faz o homem entender as forças e a bem utilizar a matéria da criação, o conhecimento que liberta o homem de tudo que o atrai para a morte e destruição. Com dentes de ferro este animal devorava e triturava depois pisava aos pés o que sobrava.

Pisar aos pés o que sobrava se equivale ao barro contido nos pés da estátua. Este animal não deixava sobrar nada. Tudo era triturado e o que sobrava pisado aos pés.

Assim é o sistema deste mundo que induz as pessoas a estudarem não para aprender, nem para crescer mas para trabalharem para cada vez ter mais dinheiro. As pessoas estudam e trabalham pensando em ganhar cada vez mais dinheiro. Não há limite nem satisfação. O sistema induz a comprar, a gastar. O sistema induz a ter. As doenças da alma cada vez aumentam mais pois o ter, o comprar e o gastar não beneficiam a alma de ninguém mas pelo contrário, cada vez mais abate a alma, que ao invés de poder se ligar aos céus e ascender, cada vez mais se liga a terra e  portanto descende. A tristeza toma conta, a ansiedade corrói, o desespero queima com fogo negro. As pessoas sentem desejo de morrer para se aliviar da angústia interna mas não morrem e seu estado piora – Misericórdia Adonai – vem logo Salvador.

O pobre é escravizado. Trabalha e trabalha para poder comer. Quando não está trabalhando está se perdendo a si mesmo com qualquer tipo de diversão criada pelo sistema. Os programas de televisão, o que toca nas rádios, o que acontece nos estádios e nas casas noturnas, tudo o que o sistema induz as pessoas a fazerem visa somente o sofrimento e a destruição de cada um. Devorava, triturava e pisava aos pés o que sobrava.

Também os ricos querem ser reconhecidos uns pelos outros e para isso fingem o tempo todo um para o outro pois cada um sabe o quanto o outro é infeliz. Compram, adquirem cada vez mais mas não encontram paz. Não importa onde cheguem, nunca estará bom porque a infelicidade os acompanha no canto mais interior de suas almas.

O profeta viu também que este quarto animal ostentava dez chifres. Se equivalem aos dez dedos dos pés da estátua. Estes dez chifres simbolizam o mundo divido em dez partes controladas por dez dirigentes. Dos dez chifres três são arrancados e um outro surge no lugar deles. Este chifre que surge possui boca e olhos e parece ser maior que os outros. Este chifre é o cristo adorado pela prostituta mãe como também pelas filhas. Todas adoram o mesmo nome, o nome do cristo romano.

Este é a besta, o falso messias predito nas Escrituras.

As três maiores religiões monoteístas o receberam/receberão. O Judaísmo o declarará messias, herdeiro do trono de David. O Islamismo o aguarda e o receberá como um grande profeta que deve vir ao mundo no fim dos tempos. O Cristianismo o receberá e o exaltará como sendo seu cristo.

Praticamente todos serão enganados e já estão, mas o Senhor preservará do engano seus escolhidos.

São tempos difíceis pois este chifre declara guerra aos escolhidos do Altíssimo e leva-lhes vantagem até o momento em que vem o Ancião de dias.

Eis o retrato do sistema mundial atual.

Estude as Escrituras e faça boas obras.

Ajude o próximo.

Ame e demonstre corretamente o amor a todos quanto estão a sua volta.

Medite.

Ore.

Divulgue a Verdade.

Viva.

contact@comentarioasescrituras.com